domingo

Bar no Japão só com funcionários surdos se destaca pela inclusão

Compartilhe essa notícia! | Data : domingo, fevereiro 07, 2016 | Series :
E lá do outro lado do mundo, do Japão, vem um exemplo de como é possível levar uma vida independente e produtiva.


É uma porta pequena no centro de Tóquio. A movimentação na cozinha é a mesma de qualquer café. O trabalho nas mesas também. Mas quando os funcionários conversam, a gente percebe: todos são surdos. Os fornecedores tiveram que se adaptar. Um deles já chega preparado para fazer a entrega, com papel e caneta.

A língua oficial do lugar é a língua de sinais, mas quem não conhece, não passa aperto. Toda a parede é forrada por um painel, onde a gente pode escrever os pedidos. No caso mostrado na reportagem do Bom Dia Brasil, um cafezinho.

video


Quem serve o repórter Márcio Gomes é Masahiro, o proprietário, surdo de nascença.

Os dois conversam com a ajuda de quadrinhos.

O repórter perguntou a Masahiro por que ele resolveu abrir um café e contratar apenas pessoas surdas. Ele respondeu, muito diretamente, que é para que os surdos possam mostrar o seu valor, deixar bem claro o que eles podem oferecer à sociedade.

Segundo ele, o Japão tem leis para contratar deficientes, mas as empresas não se adaptam. As vagas são para serviços simples e o deficiente, muitas vezes, acaba desmotivado.

Um grupo de clientes veio dos Estados Unidos. Todos surdos, rodam o mundo juntos. Um deles, David, conhece experiências semelhantes na Califórnia e não tem dúvidas:

"Pessoas surdas podem fazer qualquer coisa!", escreve David, em inglês.

No ano que vem um segundo café deve ser aberto, para continuar servindo eficiência.

Reportagem de Setembro de 2015
Fonte: G1

google+

linkedin