segunda-feira

Vendo Vozes: Uma viagem ao mundo dos surdos - Oliver Sacks

Compartilhe essa notícia! | Data : segunda-feira, março 15, 2010 | Series :
gfgA lingua de sinais nas mãos de seu mestre, é uma lingua extraordinariamente bela e expressiva, para a qual, na comunicação uns com os outros e como um modo de atingir com facilidade e rapidez a mente dos surdos, nem a natureza nem a arte lhes concedeu um substituto à altura. Para aqueles que não a entendem, é impossivel perceber suas possibilidades para os surdos, sua poderosa influência sobre o moral e a felicidadesocial dos que são privados da audição e seu admirável poder de levar o pensamento a intelectos que de outro modo estariam em perpétua escuridão. Tampouco são capazes de avaliar o poder que ela tem sobre os surdos. Uma frase que me chamou a atenção: " Enquanto houver duas pessoas surdas sobre a face da terra e elas se encontrarem, serão usados sinais." Grifos meus. (J. Schuyler Long - Diretor da Iowa School of the Deaf)

Recomendo a leitura desse livro, ele utiliza inúmeros casos para nos introduzir no mundo daqueles que não podem ouvir. Podemos observar as modificações do tratamento dado aos surdos desde do final do século XVII até hoje. Ele nos leva à comunidades nas quais todos falam lingua de sinais, à Universidade Gallaudet, só pra surdos. Tomamos contatos com pesquisas linguisticas que descobriram nos sinais uma linguagem completa, com uma gramática propria e um poder expressivo muitas vezes superior aos das linguagens orais que utilizamos. Fascinante!!! Leiam.

google+

linkedin

2 comentários

Tulis comentários
avatar
NaKelSsonN
Admin
28 de abril de 2010 02:25

un.. ta un xulé...bota mais un poukin de pé baruel!!!!

ta massa viu meu fiii..
assim que se cresci!!!!
vlw...

Reply
avatar
Anônimo
Admin
25 de setembro de 2010 21:26

Lindo trabalho !!!
Sou de Itapajé e há muitos anos mudei para SP, mas continuo amando essa cidade de onde tenho só ótimas recordações. Morava em frente ao Patronato, na Rua Major Barreto.
Parabenizo pelo trabalho e a bela divulgação.
José Edilson.

Reply